Vereador Marcos Henriques promove sessão que tirou a base governista da zona de conforto e causou rebuliço na Câmara de Vereadores

O vereador Marcos Henriques (PT), conseguiu nesta sexta-feira, 12,  mexer com os interesses da gestão municipal, do empresariado local e de polos divergentes da política paraibana, ao realizar uma Sessão Especial a fim de debater a reforma do plano diretor da cidade. A Sessão reuniu Ricardo Coutinho, ex-governador da Paraíba e ex-prefeito de João Pessoa, como expositor, além de ter atraído a curiosidade do deputado Anísio Maia (PT), antagonista de Ricardo e aliado de primeira linha do atual governador João Azevedo (Cidadania).

Além desses nomes, percebeu-se nos bastidores uma grande correria dos vereadores governistas de plantão para exercer o papel de advogados da gestão do prefeito Cícero Lucena. O líder do governo Bruno de Farias (Cidadania), e Bosquinho (PV), apressaram-se em aparecer ao final do evento para marcarem posição no debate.

De acordo com o vereador petista o tema precisava ser debatido com os diferentes segmentos da sociedade civil, mas a prefeitura estava se esquivando de fazer. O vereador chegou a se retirar de uma audiência pública realizada pela Câmara de Vereadores para discutir o assunto, quando soube que só lhes seriam concedidos três minutos de fala e que as representações da sociedade civil não poderiam se pronunciar. “Denunciei a farsa e me recusei a participar do circo” disse o vereador, argumentando que são muitos assuntos importantes a serem tratados e que se não houver participação popular e controle social prevalecerão interesses particulares.

De acordo com Marcos Henriques falta participação na cidade e obras que deveriam ter sido discutidas com a população, seguindo as determinações do Plano Diretor vigente estão acontecendo a marge da Lei. Como exemplos o parlamentar mostrou quatro grandes projetos: João Pessoa Sustentável (500milhões); a barreira do Cabo Branco; a transformação do aeroclube em parque e, por último, a proposta de promover a engorda (alargamento) da faixa de areia nas praias de João Pessoa. Para participar do debate foram chamados arquitetos, urbanistas, professores da universidade, engenheiros, ativistas do meio ambiente, militantes dos movimentos de moradia, lideranças de bairros, estudantes, gestores de organizações não governamentais e membros do governo. O governo tetou evitar aparecer, mas o clima do debate ficou tão animado que, do meio pro fim, e motivados por denúncias de desmatamento, tentativa de mudar o gabarito do escalonamento da Orla, de cumplicidade da prefeitura com empresários dos transportes e da desconfiança com o contrato do lixo na cidade, entre outros pontos, fizeram o governo escalar as pressas sua linha de defesa. É verdade que a presença de Ricardo Coutinho também estremeceu as bases governistas, e tirou a tropa de Cícero Lucena de sua zona de conforto.

Perguntado sobre o sucesso da sessão, o vereador Marcos Henriques afirmou: “este momento demonstrou que, quando há vontade política e vontade de fazer a participação acontecer as coisas fluem. Concedemos mais de dez minutos a cada vereador governista e a representante do projeto de revisão do plano diretor teve mais de quinze minutos para falar, diferente do tratamento que nos foi dado”, disse o vereador, satisfeito com os resultados do evento.

Fonte: Assessoria de Comunicação