Picada de aranha mata funcionária do Jornal A União

A picada de uma aranha, de cor marrom, pode ter sido o principal motivo da  morte de Maria Aparecida de Souza, 63 anos, funcionária do Jornal A União há 37 anos. A mordida do aracnídeo ocorreu no último dia 5, no entanto, a toxina do veneno, de acordo com a família, começou a agir lentamente levando a vítima a óbito, nesta segunda-feira, dia 29. O sepultamento será às 16h desta terça-feira (30), no cemitério municipal de Sapé-PB, cidade de nascimento.

Cida com o filho Tiago

Elton Emmanuel, um dos dois filhos de “Cida”, como era chamada Maria Aparecida, disse nesta terça-feira que ao ser picada, sua mãe achou que teria sido um mosquito. “O cotovelo dela inchou muito devido ao veneno agir lentamente. Ela foi  levada a Upa dos Bancários, em João Pessoa. Neste dia, o médico falou em uma possível dengue ou Chikungunya”, afirmou.

Elton, Tânia (irmã de Cida), Cida e Tiago

Dois dias depois, de acordo com o filho, a saúde de Maria Aparecida se agravou e a mesma foi novamente encaminhada para Upa, onde, foi para área amarela e entubada ao ser detectado que teria sido picada por uma aranha marrom. “No último dia 13, ela foi transferida para a Unidade de Terapira Intensiva do Hospital Santa Isabel, onde veio a óbito nesta segunda-feira”, disse Elton Emmanuel, acrescentando que a mesma teve uma parada cardíaca.

Cida residia no Conjunto Mangabeira, em João Pessoa e deixa órfão dois filhos.

FILHO FALA SOBRE A PICADA DA ARANHA QUE MATOU SUA MÃE